5 coisas que você pode fazer no Dia de Finados

O dia de Finados, 2 de novembro, é um dia para visitar os cemitérios, – um lugar de oração e de esperança – onde encontram-se as sepulturas de muitos familiares e amigos. O calendário oficial do Brasil dedica a essa data um feriado, devido a importância e tradição dos cristãos em se dirigirem aos cemitérios para rezar pelos entes queridos no decorrer desse dia.

O fato de ser um feriado, que este ano cai numa quinta-feira, abrindo a possibilidade de um “feriadão”, sugere momentos de lazer e passeios. No entanto, por ser um dia santo, a Igreja orienta que os fiéis reservem a data e destinem orar pelos fiéis defuntos. Mesmo que você escolha fazer algo para relaxar, não deixe de rezar por aqueles que tanto precisam de nossa oração.

Conheça agora cinco coisas que você pode realizar neste dia santo.

1 – Participe da missa

Em algum momento do dia, dedique-se a participar da Celebração Eucarística com muita piedade e oração pelos fiéis defuntos e pelas almas do purgatório. A missa é um momento de comunhão com Deus e com as coisas divinas. Isso se dá pela proclamação da Palavra e pela participação do banquete eucarístico. Durante o Dia de Finados, acontecem Celebrações nos cemitérios em vários horários no decorrer do dia. Àqueles que desejarem e tenham a possibilidade, incluam o nome dos seus falecidos nas intenções da celebração.

2 – Visite o cemitério e reze pelas almas

Ir ao cemitério e dedicar orações pelas almas dos falecidos além de ser um ato de amor para com eles é, também, uma obra de misericórdia. A Igreja aponta que “rogar a Deus por vivos e mortos” é uma obra de misericórdia espiritual que contribui para que as almas que se encontram no purgatório possam, o mais breve possível, gozar das alegrias do Reino dos Céus.

3 – Zele pelo túmulo dos entes queridos

A Palavra de Deus mostra-nos o quanto o zelo pela casa de Deus deve consumir o coração e a vida dos cristãos. Isso é visível no momento em que Jesus expulsa os vendedores do Templo (Cf. Mt 21, 12). No caso dos fiéis defuntos, o túmulo é o templo santo onde estão depositados seus corpos que esperam pelo dia da ressurreição dos mortos, prometida pelo Senhor. Por isso, quem se dirige ao cemitério deve zelar pelos túmulos mantendo para com eles um respeito e realizando ali uma boa limpeza, que não deve ser restrita ao Dia de Finados.

4 – Dedique devoções em favor dos mortos

As devoções são muitas. Pode iniciar com o acendimento de uma vela diante dos túmulos e culminar em orações intercedendo pelos que estão sepultados. Essa é uma prática muito comum entre os católicos, mas vale destacar que, a oração pelas almas não tem como finalidade a invocação dos mortos, e sim, a purificação de suas faltas cometidas em vida para que cheguem ao céu de forma pura e santa. Essas práticas devem ser realizadas em espírito de piedade e simplicidade.

5 – Realize obras de misericórdia

Como já foi mencionado acima, rezar pelos mortos é um ato de misericórdia. Mas esse ato não deve ser restrito apenas em favor dos parentes e amigos falecidos, deve-se estender aos desconhecidos, àqueles que foram sepultados como indigentes e que talvez nem recebam visitas, muito menos orações. Por isso, é importante que a visita ao cemitério seja também para rezar pelos indigentes e esquecidos da sociedade.

 

Aqui, colocamos também, uma breve explicação sobre as indulgências para este período na Igreja.

Indulgências Plenárias

As pessoas que rezarem pelos fiéis defuntos poderá receber Indulgências Plenárias. O Papa Paulo VI, na “Constituição das Indulgências”, de 1967, estabeleceu indulgências parciais e plenárias pelas almas do purgatório, e determinou a semana de 1 a 8 de novembro como a semana das almas, em que podemos lucrar indulgências plenárias a elas mediante uma visita ao cemitério para rezar por elas, tendo se confessado, comungado e rezado pelo Papa (Pai Nossa, Ave Maria, Glória ao Pai). As almas, por elas mesmas não podem conseguir sua purificação; dependem de nossas orações, missas, esmolas, penitências, etc., por elas. Tais atos demonstram a importância de rezar pelos mortos.

 

Por: Dominus Comunicação

 

Compartilhar